Wall Street fecha março no azul e apenas o Nasdaq fecha o trimestre com alta de 2,3%

A bolsa de Nova York fechou em alta

Nesta ultima quinta-feira (29/03), com os investidores analisando os dados econômicos apresentados para a economia norte-americana. A reação positiva ficou com o setor de energia.

Ao final da jornada de  sexta-feira (30/03), o S&P ficou em alta de 1,38% aos 2.640 pontos. O Dow Jones ficou em alta de 1,07% aos 24.103 pontos. O Nasdaq ficou em alta de 1,64% aos 7.063 pontos. Na semana, o S&P subiu 2,1%; o Dow Jones subiu 2,7%; e o Nasdaq ficou com perdas de 2,9%.

Para o mês de março, o S&P ficou em queda de 2,7%; o Dow Jones em queda de 3,5%; e o Nasdaq em queda de 2,9%. No trimestre, o S&P ficou em queda de 1,2%; o Dow Jones, queda de 2,3%; e o Nasdaq ganhou 2,3%.

O índice do medo, VIX, ficou em queda de 12,68%, embora tenha fechado o trimestre em alta de 80%, com o presidente Donald Trump sinalizando para uma guerra comercial com a China, entre outros países.

Sobre as ações do setor de tecnologia, que amargaram os piores desempenhos no mês, as do Facebook mantiveram a valorização de 0,09% a US$159,79. Porém, no mês de março a queda foi de 10%.

As ações Tesla Inc ficaram no negativo, 0,32%, com a investigação de um acidente fatal de um dos carros elétricos da empresa na Califórnia na semana passada.

As ações da Microsoft Corp recuaram 0,10% e as da Apple subiram 0,08%.

O S&P Technology, XLF, o índice de tecnologia ficou em alta de 1,36%.

O XLE, que é um fundo montado por 40 gigantes do setor de energia, ficou em alta de 2,11%.

A Amazon.com Inc ficou em queda de 0,22%, que ajudou na fraqueza geral do mercado nos últimos dias, depois que o presidente Donald Trump disparou, via Twitter nesta quarta-feira, de que a Amazon não estava pagamento imposto, ou muito pouco, sobre o uso do Serviço Postal dos Estados Unidos e colocando os concorrentes em desvantagem.

Entre as empresas de energia, a Exxon Mobil Corp subiu 2,5% e a Chevron, alta de 1,7%.

Nesta quinta-feira, vários dados econômicos apresentados para a economia norte-americana voltaram a surpreender. A queda nos pedidos iniciais de seguro desemprego foi um deles.

Nos Estados Unidos, a renda pessoal aumentou US $ 67,3 bilhões (0,4%) em fevereiro, de acordo com estimativas divulgadas hoje pelo Departamento de Análises Econômicas. A renda pessoal descartável (DPI) aumentou US $ 53,9 bilhões (0,4%) e os gastos com consumo pessoal (PCE) aumentaram US $ 27,7 bilhões (0,2%).

Nos Estados Unidos, na semana que terminou em 24 de março, os pedidos iniciais de seguro desemprego, ajustados ficaram em 215 mil, uma redução de 12 mil em relação ao nível revisado da semana anterior. Este é o nível mais baixo para reivindicações iniciais desde 27 de janeiro de 1973, quando eram 214 mil.

Nos Estados Unidos, Clima de Negócios medido pelo ISM Barômetro de Chicago caiu 4,5 pontos para 57,4 em março, ante 61,9 em fevereiro, atingindo o nível mais baixo em exatamente um ano.

Marcos Granja

Jornalista - MTE 1905/AL

Artigos relacionados