“Vou me empenhar na defesa do Sistema S contra cortes ou reduções de recursos”, afirma Marx Beltrão


O futuro superministro da Fazenda do governo Bolsonaro, Paulo Guedes, já deu sinais de que pretende cortar recursos do chamado Sistema S. O Sistema começou a ser estruturado no país em 1942 para oferecer uma rede de ensino que melhorasse a produtividade da mão-de-obra e serviços culturais e de lazer com financiamento garantido, mas sem depender da gestão pública. Ele é composto por entidades como Senai, Sebrae, Sesc, Sesi e Senac, entre outras.

Nesta semana, a Federação das Indústrias do Estado de Alagoas (FIEA) reuniu parte da bancada alagoana para apresentar demandas das organizações do Sistema S ligadas à entidade: Serviço Social da Indústria (Sesi) e Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai). E no evento, o deputado federal Marx Beltrão (PSD) já se posicionou em defesa das entidades do Sistema.

“O trabalho que as entidades do Sistema S desenvolvem colaboram com a qualificação e o bem estar de milhares de alagoanos e alagoanas. Quero acreditar que qualquer medida que altere o funcionamento de organismos como o Sesc, o Senai e o Sesi, por exemplo, somente será adotada após diálogo, sem precipitação. Mas desde já me posiciono como um defensor estas entidades do Sistema S. Elas oferecem serviços à população com qualidade e com repercussão extremamente positiva no futuro de milhares de pessoas” afirmou Marx Beltrão.

“Toda mão de obra da indústria nacional é formada no Senai; toda parte de saúde e segurança do trabalho, a saúde do trabalhador com qualidade, é feita pelo Sesi. A educação de jovens e adultos, dos colaboradores da indústria, é feita pelo Sesi com qualidade. Quando termina o curso eles sabem ler e escrever. Temos também uma cadeia de escolas do interior em que cobrimos, praticamente, todo o estado. Mas a gente não divulga isso. Aí, chega lá no Congresso, um maluco faz um projeto para tirar 30% do Sistema. Isso vai fechar as escolas. Para o Sistema”, afirmou o anfitrião do evento, José Carlos Lyra, presidente da FIEA.

“Vou me empenhar na defesa do Sistema S contra cortes ou reduções de recursos. O presidente José Carlos Lyra, que faz um brilhante trabalho na FIEA, tem razão. Vou defender o Sistema S porque conheço sua importância, no Brasil e especialmente em Alagoas. A atuação das entidades do sistema, em suas mais variadas áreas de atuação, não deixa dúvidas quando a necessidade de sua manutenção. Vamos nos empenhar nesta defesa em Brasília”, disse Marx Beltrão.