Jogada de craque de moleque da Chã da Jaqueira enlouquece ‘Bando de loucos’ pelo Brasil


Pedrinho em malabarismo com a bola no registro feito pelo repórter fotográfico Ailton Cruz há mais de três anos

Desculpe-me a redundância no título do post, mas foi o que veio à cabeça. Juro que não torço para o time do ‘Bando de loucos’, mas sou louco por futebol, pela jogada de craque, o improviso.

A nação corintiana, esta sim, um ‘Bando de loucos’ lá de São Paulo e espalhados por esse Brasilzão e mundo afora, grita em uníssono neste domingo por um nome. E esse grito ecoa muito forte aqui nas Alagoas, mais precisamente num bairro da periferia de Maceió, a pobre Chã da Jaqueira.

E o nome desse grito é do garoto Pedrinho, 19 anos, o Pedro Victor.

O menino entrou no segundo tempo da partida contra o Botafogo-RJ neste domingo (2) e fez uma jogada de craque, daquelas de pagar ingresso, e que decidiu o jogo. Detalhe: ele não fez o gol, mas a imprensa paulista mandou o autor do gol da vitória do Timão por 1 a 0 sobre o Fogão, pelo Campeonato Brasileiro, dar metade do ‘bicho’ (a premiação) para o menino alagoano da Chã da Jaqueira.

Quem empurrou a bola para as redes foi o grandalhão Jô, depois da jogada fenomenal do ainda franzino moleque da Jaqueira. (veja o link da jogada no fim do post).

Essa pérola foi encontrada há pouco mais de três anos como ouro bruto nas peladas da Chã da Jaqueira e na surrada quadra defronte de sua casa, no bairro da periferia, e já é a mais nova sensação lá no Parque São Jorge, CT do Corinthians Paulista.

Crianças na quadra surrada onde Pedrinho começou a dar os primeiros chutes

Mas atenção, o talento de Pedrinho não é de hoje. O menino das Alagoas já havia sido o melhor jogador do Timão no último torneio da chamada Copa São Paulo, a Copinha.

E já ganhou até título mundial disputando por uma das categorias de base do Corinthians. Advinha onde e contra quem? Sim, na Espanha, e contra um tal de Barcelona. E onde também joga um tal Neymar.

Pedrinho está na base do Timão, portanto, há três anos.

Este moleque atrevido, há pouco mais de três anos, foi tema de uma reportagem para a Gazeta de Alagoas produzida por este repórter-blogueiro e registrada com muita agilidade nas lentes do craque Ailton Cruz, como relembro aqui.

O menino da periferia de Maceió pisa na quadra surrada e posa com a família que ainda mora na Chã da Jaqueira

Naquela época, o garoto já chamava atenção, e como chamava, isso bem antes do currículo que apresentamos acima.

Após o jogo, a imprensa paulista cercou o garoto, que não se fez de rogado e mandou ver, saindo-se muito bem nas perguntas e curiosidades dos repórteres.  Pedrinho falou que mora em um apartamento com mais dois companheiros de clube e que seu grande sonho é levar a família para morar pertinho dele, em Sampa.

Que assim seja, garoto!!!

Veja aqui o link da jogada de Pedrinho que deu a vitória ao Timão contra o Botafogo

Wellington Santos – 02/07/2017

COMPARTILHAR
Artigo anteriorSÃO JOÃO 200 ANOS: Grupo Xique-Xique vence 1º Festival do Coco de Roda de Alagoas 
Próximo artigoCantora Paula Fernandes posa de topless e arranca suspiros
Wellington Santos
Wellington Santos milita no jornalismo desde 1994, quando iniciou a carreira como revisor do extinto O JORNAL. Daí formou-se na área pela Universidade Federal de Alagoas (Ufal), e teve passagens como repórter e editor em jornais como Gazeta de Alagoas (por duas vezes), A Notícia e Primeira Edição. Atualmente atua como repórter no Jornal Tribuna Independente e exerce ainda a função de assessor de Comunicação desde 2003 no Governo do Estado. Como repórter esportivo, foi correspondente e colaborou para o Portal nacional Lance! e rádios do eixo Sul/Sudeste, além de colaborar para o Canal Esporte Interativo. Como reconhecimento ao trabalho desenvolvido, foi premiado duas vezes como repórter esportivo no Prêmio Braskem de Jornalismo em 2013/2014, e em 2016 com a melhor matéria no Jornalismo Impresso na editoria Saúde. Em 2012, foi à final do Prêmio Nacional Abdias Nascimento, realizado no Rio de Janeiro, com reportagem sobre os 100 anos do Quebra de Xangô em Alagoas.