BRASKEM: novos estudos apontam que mais 800 imóveis terão que ser desocupados

Nesta terça-feira (15), a Braskem divulgou que recebeu a conclusão dos três estudos técnicos feitos por instituições internacionais especializadas e independentes. Com base nos potenciais impactos de curto prazo apontados nesses estudos, foi identificada uma área adicional de desocupação estimada em 800 imóveis, o que poderá implicar em gastos estimados de aproximadamente R$ 300 milhões com medidas de apoio.

O mapa desta área está em detalhamento junto às autoridades competentes e será divulgado o mais breve possível.

Adicionalmente, os estudos trazem uma análise de cenários futuros de áreas com potenciais impactos na superfície no longo prazo, as quais incluem, dentre outras, todas aquelas identificadas pelo Mapa de Setorização de Danos e Linhas de Ações Prioritárias da Defesa Civil de Maceió de junho de 2020.

Os estudos estão sendo submetidos às autoridades competentes, para a definição de possíveis novas ações a serem adotadas em comum acordo. A prioridade da Braskem continua sendo a segurança dos moradores da região, propondo e tomando todas as medidas necessárias para isso.

Para as potenciais novas medidas referentes ao fenômeno geológico, a empresa estima que seriam necessários aproximadamente R$ 3,3 bilhões, valor que inclui os R$ 300 milhões mencionados, e é adicional aos valores já provisionados até agora pela Braskem para as ações em Alagoas.

Programa de Desocupação

Segundo dados do último balanço do programa de compensação divulgado pela Braskem, em 8 de setembro, 7.558 imóveis haviam sido identificados dentro das áreas de risco e mais 212 imóveis tinham sido identificados pela Junta Técnica nas áreas de criticidade 01.

Com mais de 5 mil mudanças realizadas, 20 mil moradores estavam fora das áreas de risco identificadas pela Defesa Civil nos bairros do Pinheiro, Bebedouro, Mutange e Bom Parto.

MPF recebe novas informações sobre estudos da Braskem

Na manhã desta terça-feira (15), o Ministério Público Federal (MPF) participou de reunião com o Ministério Público do Estado de Alagoas (MP/AL), a Defensoria Pública da União (DPU) e a Defensoria Pública do Estado (DPE), na qual a empresa petroquímica Braskem informou sobre o resultado de estudos técnicos especializados e independentes.

O tema foi objeto de comunicado de Fato Relevante por parte da Braskem, aos acionistas e ao mercado. Na reunião, representantes da empresa apresentaram uma análise de cenários de áreas com potenciais impactos presentes e futuros na superfície da região dos bairros do Pinheiro, Mutange, Bebedouro e Bom Parto no longo prazo.

No mesmo dia, à tarde, os representantes do MPF, MP/AL, DPU e DPE acompanharam reunião na qual a empresa expôs os mesmos estudos às Defesas Civis Nacional e Municipal.

As novas informações apresentadas pela Braskem estão sendo acompanhadas pelas autoridades que avaliam as medidas a serem adotadas a respeito dos novos estudos. Os relatórios já foram remetidos às Defesas Civis Nacional e Municipal e ao Serviço Geológico do Brasil (SGB/CPRM) para análise técnica.




Botão Voltar ao topo