Whindersson rompe o silêncio e revela o real motivo da briga com Carlinhos Maia

A temporada de duelos virtuais foi aberta e, no primeiro dia, já se notou que vem boas batalhas por aí. A primeira foi entre Carlinhos Maia e Whindersson Nunes, que protagonizaram um vexame pelo Twitter na tarde dessa quinta-feira (23).

Após uma série de farpas e acusações, como bem noticiamos aqui no RD1, Whindersson Nunes usou o Stories do Instagram, na madrugada desta sexta-feira (24), para falar sobre a confusão com Maia. Nos vídeos, Nunes contou que jamais pretendia brigar com Carlinhos.

“Vou ter que falar aqui. Queria esclarecer logo desde o começo que eu não estou brigando com ninguém. Eu não quero e nunca quis brigar com ninguém. Eu não fiz nada”, iniciou Whindersson.

Nunes disse ainda que conheceu Carlinhos por meio de Kaká e Simone, que faz dupla sertaneja com Simaria. “Conheci o Carlinhos pelo Kaká e pela Simone, gente boa, brincando e eu gosto de gente assim. A amizade foi estreitando, eu, ele, Tirullipa, Gkay e [na sitcom] ‘Os Roni’ eu senti umas atitudes, umas coisas assim… não vou ficar falando disso aqui. Eu só queria deixar claro que não briguei com ninguém. Essas coisas acontecendo, eu meio chateado, algumas vezes a gente sentava pra conversar. Ele contava o lado dele, falava que ia mudar. Quando eu saía: ‘Você acredita que você acabou de sair e o cara falou não sei o que, não sei que…’ e eu sempre relevando e isso acontecendo. A gente sentando e falando: ‘Cara, não precisa disso’. Umas besteiras, coisas da gente”, esclareceu o humorista.

“Eu comecei a dar uma afastada. Aí chegou o assunto do casamento e ele: ‘Você vai ser padrinho do meu casamento. Ele disse isso. ‘Você e Luísa’. E ele nunca pediu a Luísa, nunca, nunca. De tarde, saiu a lista do casamento e eu e Luísa em todos os portais! E eu digo: ‘que caralho é isso?!’. Bicho, padrinho de casamento é uma pessoa próxima, como é que vou dar conselhos na vida de uma pessoa que não estou muito por dentro?”, prosseguiu.

“Cheguei pra falar com ele, que eu não me sentia bem pra ser padrinho. Eu falei que não daria pra ser padrinho do casamento dele e ele me bloqueou. Não fiz nada, não falei nada. Gente, estou tranquilaço. Eu estava bloqueado, mas a gente conversou”, narrou.

Não fui ao casamento do cara. Nem tinha como conversar algo como: ‘Posso ir sem ser padrinho, porque não estou me sentindo confortável?’. Poderia ter sido essa, mas me bloqueou e não pude falar. Mas ele me desbloqueou, e a gente conversou e por mim sempre esteve tudo bem”, garantiu.

Sobre o tratamento da depressão, Nunes esclareceu alguns pontos: “Hoje posso dizer que estou bem, fazendo terapia… mês passado eu não desejo a ninguém, eu estava em uma pilha muito grande, questões pessoais, a gente se atropela. Entrei em uma paranoia muito grande”.

“‘E a depressão?’. ‘Não estava com depressão?’. ‘Já está aí rindo no Twitter, já curou?’. Tem muita gente que não entende quase nada deste assunto. [Depressão] é um negócio diferente. Só sei que não desejo a ninguém. Quem não entende, também quero que não entenda, que nunca saiba o que é passar esse tipo de coisa, de ter que falar: ‘Amor, fica aqui na porta que estou com medo da porta fechar e eu ficar sozinho aqui dentro’. Não se sentir muito útil, não ter sentido existir. Tipo, se eu morresse ali, naquele momento, por mim eu acho que eu nem ia… É um sentimento de não ter muito amor pela vida. Ainda bem que achei rápido caminho de volta pra casa. Eu estava trabalhando demais, sem tempo pra viver. E como ia gostar da vida se não estava vivendo? Agora estou fazendo as coisas no meu tempo”, desabafou.

Em relação às alfinetadas de Carlinhos, Whindersson esclareceu: “‘Deve ser difícil não ser mais o número um. Imagine quem era o queridinho e não é mais’. Eu bloqueado no Whatsapp, não posso falar com o cara… Eu não estou fazendo nada. Eu não fiz nada. Estou em Fortaleza e só recebi um monte de notícia de que estavam falando de mim na televisão. Eu nem liguei a televisão!”.

“Ele falou comigo, pediu desculpas, foi super humilde. Acho que agora ele tomou um choque de realidade. Eu era amigo dele, sim, mas eu dou aquilo que a pessoa parece que merece receber. Se estou tentando ajudar e a pessoa não me quer por perto, acha que quero mandar nela, eu me afasto”, encerrou Nunes.

24/05/2019

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *