Vídeo: Família feita refém por Lázaro em rio de Goiás é resgatada; ouça tiros

Um vídeo mostra o resgate de um casal e de uma adolescente de 16 anos que foram feitos reféns por Lázaro Barbosa, de 32 anos, em Cocalzinho de Goiás, no Entorno do Distrito Federal. Na gravação, a família já com os policiais dentro de um rio. Em seguida, vários tiros são disparados e os agentes começam a correr para retirar os moradores do local.

Família feita refém por Lázaro e dois policiais se escondem durante em córrego durante resgate, em Cocalzinho de Goiás — Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Família feita refém por Lázaro e dois policiais se escondem durante em córrego durante resgate, em Cocalzinho de Goiás (Foto: Reprodução/ TV Anhanguera)

“As vítimas estão bem, três vítimas. [Tiros são disparados]. Se abriga, se abriga. Sai do rio. Polícia, polícia. Tem que tirar a família daqui. Vamos dar apoio para tirar as vítimas”, gritam os policiais.

Após a chegada dos policiais, houve troca de tiros e Lázaro conseguiu fugir novamente. Uma força-tarefa com policiais do DF e de Goiás busca o suspeito há oito dias.

A família de Cocalzinho foi feita refém na tarde de terça-feira (16) depois de ter a casa invadida pelo criminoso, que é suspeito de matar uma família em Ceilândia, no Distrito Federal no dia 9 de junho.

A adolescente conseguiu se esconder no quarto e enviar uma mensagem à polícia, o que fez com que fossem resgatados sem ferimentos.

“Socorro, Lázaro está aqui em casa”, diz o texto enviado pouco antes de ser levada para o mato.

Resgate em rio de família feita refém por Lázaro em Goiás — Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Resgate em rio de família feita refém por Lázaro em Goiás (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

Segundo o delegado Raphael Barboza, uma equipe de policiais dormiu na residência na noite anterior ao sequestro. A intenção era justamente limitar a área de atuação e fuga do suspeito. No entanto, a forma como Lázaro invadiu a propriedade, de acordo com o investigador, mostrou que ele acampou na mata para vigiar a casa e esperou a polícia deixar o local para agir novamente.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!




Botão Voltar ao topo