Trajetória de Wellington Pereira na Ufal chega a quase 30 anos de dedicação

Alguns personagens são marcantes nos 60 anos de história da Universidade Federal de Alagoas, pessoas que são lembradas pelo seu trabalho e dedicação. Wellington da Silva Pereira é uma dessas personalidades. O servidor, que hoje ocupa o cargo de pró-reitor da Pró-reitoria de Gestão de Pessoas e do Trabalho (Progep), completará 30 anos de Ufal em novembro do próximo ano.

A trajetória de Wellington na Universidade teve início no antigo Departamento de Recursos Humanos (DRH), no qual ficou lotado por aproximadamente 20 anos. A partir daí foi acumulando experiência em outros cargos também voltados à gestão de pessoal, conhecimentos que aplica hoje ao desenvolver atividades relacionadas à vida profissional dos servidores da Instituição. Mas, antes de ingressar na carreira universitária, o pró-reitor trabalhou como bancário e professor secundarista, chegando a reencontrar, na Universidade, seus antigos professores, como Chico Potiguar e Rosário Oliveira, e também ex-alunos da época em que exerceu o magistério no Colégio Diógenes Jucá, como Heliofábio Barros (Icat) e Elthon Lima (Ceca).

“Ocupei diversos cargos na Ufal, tais como chefe da Seção de Recrutamento e Seleção da Divisão de Aperfeiçoamento, diretor da Divisão de Apoio Técnico do DRH, secretário de Remuneração e Auditoria de Concessões e Vantagens (SEAUD) do DAP, diretor da Divisão de Ações Judiciais e Concessões e Vantagens (DIAJUCAP) e diretor-geral do Departamento de Recursos Humanos, esse último na Gestão da reitora Ana Dayse Rezende Dorea, entre os anos de 2008 e 2012”, relembrou.

Após o período, pela formação em Direito, Wellington assumiu a missão de criar a Corregedoria Geral da Ufal. Seu nome foi indicado e aceito pela Controladoria Geral da União e ele se tornou, assim, o primeiro corregedor seccional da Universidade, ficando à frente do cargo por dois anos, entre 2014 e 2016.

É difícil separar a vida profissional da vida pessoal de Wellington. Com total dedicação à Ufal, o pró-reitor ficou conhecido por colegas pelo apelido de Acorda Galo, pois chega para trabalhar às 6h. “Nosso nome é trabalho. Chego cedo, muitas vezes, o portão ainda está fechado. Estou aqui para trabalhar, à disposição da instituição”, afirmou em entrevista à Ascom, ao tomar posse do cargo na Progep.

A dedicação à Ufal é motivada, principalmente, pelo orgulho de ter participado de momentos históricos da Universidade e por saber que o trabalho da Instituição beneficia milhares de vidas, entre funcionários, estudantes e a população alagoana em geral. “A Ufal é de suma importância para o estado de Alagoas, porque, por meio dela, se conseguiu mudar a história de vida de vários alagoanos, propagando o conhecimento e a cultura, através do ensino, da pesquisa e da extensão”, explicou.

Decano do Conselho

É difícil encontrar uma sessão decisiva do Conselho Universitário (Consuni) da qual Wellington não tenha participado nos últimos anos. Eleito conselheiro por seis vezes consecutivas como representante dos servidores técnico-administrativos, o pró-reitor é o presidente da Câmara Administrativa do Consuni. Para o servidor, foi na função de conselheiro que viveu um dos momentos mais importantes de sua carreira e para a própria Ufal: a deliberação sobre a expansão da Universidade. Foi das sessões tensas que saiu a aprovação da pauta.

“E o que me deixa feliz é termos aprovado a expansão da Universidade e ver o resultado hoje desse ato. É ver a Universidade pública e gratuita em diversas cidades do interior do nosso estado, como Arapiraca, Penedo, Palmeira dos Índios, Viçosa, Delmiro e Santana, dando oportunidade a jovens que dificilmente teriam condições de realizar o sonho de concluir um curso superior gratuito, próximo a sua moradia. Além disso, não podemos deixar de exaltar a influência no desenvolvimento dessas cidades, fortalecendo a economia local, aumentando a demanda imobiliária e o aquecimento do comércio dessas cidades” avaliou.

Novos desafios

Ao assumir a Progep, em janeiro de 2020, Pereira não imaginava a dimensão do desafio que viria a seguir: estar à frente da gestão de pessoas de uma instituição com mais de 3 mil funcionários em uma pandemia que vêm mudando as relações de trabalho e afetando a saúde física e mental de inúmeros trabalhadores por um período prolongado.

“Infelizmente, por conta da pandemia do coronavírus, tivemos que repensar todos os projetos e nos adequar ao momento que estamos vivenciando. Passamos a trabalhar tendo como objetivo principal, não só em executar nossas atividades rotineiras, mas, principalmente, em preservar vidas. Dando total suporte aos nossos servidores através de atividades desenvolvidas pela CQVT [Coordenadoria de Qualidade de Vida no Trabalho] da Progep”, explicou Pereira.

Foi preciso encontrar o equilíbrio entre assegurar a continuidade da prestação de serviços aos estudantes e à sociedade alagoana e também dar suporte aos servidores por todas as mudanças na rotina de trabalho e também na vida pessoal. Essa assistência foi fundamental uma vez que muitos trabalhadores foram afetados pela doença, sendo acometidos pelo vírus ou perdendo amigos e familiares para a covid-19.

Nesse sentido, a Pró-reitoria lançou mão de inúmeras atividades virtuais com o objetivo de trabalhar essas questões, possibilitando manter a qualidade de vida dos servidores, mesmo em condições tão adversas. Foram webinários, oficinas e cursos virtuais dedicados à preparação para a nova realidade do ensino e do trabalho administrativo e também projetos voltados ao autocuidado como aulas de ioga, dança do ventre, alongamento, acompanhamento psicológico e rodas de conversa sobre o “novo normal”.

“A nossa esperança é que essa pandemia passe, afetando o mínimo possível os nossos amigos, companheiros de trabalho e familiares e, possamos colocar em prática todos projetos que foram apresentados na campanha do nosso reitor Josealdo Tonholo e da vice-reitora Eliane Cavalcanti”, finalizou.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!




Botão Voltar ao topo