Saúde aplicou quase R$ 800 milhões em ações e serviços de saúde em Alagoas

Recursos foram aplicados em reforma, ampliação e manutenção de unidades hospitalares, capacitações, programas estruturantes da saúde

887cc3f90c23277caf06925a32ec96c5_L
Recurso é superior aos 12% constitucionais que devem ser aplicados anualmente. Foto: Olival Santos.

Em 2015, o Governo do Estado conseguiu aplicar em ações de saúde 12,9% da Receita Corrente Líquida, o que corresponde a R$ 785.715.180,40. O percentual, que é considerado histórico, uma vez que o mínimo previsto pela Constituição Federal é de 12%, foi anunciado nesta segunda-feira (25), pela secretária de Estado da Saúde, Rozangela Wyszomirska, durante audiência pública na Assembleia Legislativa do Estado (ALE).

 

A gestora, que esteve na Casa de Tavares Bastos para apresentar o relatório do terceiro quadrimestre do ano passado, afirmou que esse aumento nos investimentos é um fato importante, tendo em vista que foram necessários diversos reajustes na gestão da saúde estadual.

 

“Conseguimos aplicar um percentual acima do mínimo que prevê a Constituição Federal e resolvemos algumas questões crônicas na saúde, além de ter executado projetos importantes para a melhoria da assistência”, disse Rozangela Wyszomirska.

 

Em 2015, foram investidos com ações e serviços públicos de saúde R$ 785.715.180,40 (setecentos e oitenta e cinco milhões, setecentos e quinze mil, cento e oitenta reais e quarenta centavos). Os recursos foram aplicados em reforma, ampliação e manutenção de unidades hospitalares, capacitações, programas estruturantes da saúde, entre outras ações.

 

No terceiro quadrimestre do ano passado, a secretária explicou que foram realizadas 558 auditorias, que houve adesão total dos 102 municípios à Rede Cegonha e a reorganização das Redes de Atenção à Saúde, por meio de pactuações nas Comissões Intergestrores Regionais da 1ª a 6ª Regiões de Saúde. Também no último quadrimestre de 2015 foi publicada a Política de Gestão do Trabalho e da Educação em Saúde, 1.232 servidores participaram de ações educativas e foi elaborado o Plano de Educação Permanente em Saúde para o quadriênio 2016/2019.

 

HGE – Ainda durante a apresentação, Rozangela Wyszomirska destacou a relevâncias dos serviços prestados pelo Hospital Geral do Estado (HGE), como a implantação da primeira Unidade de AVC Pública em Alagoas, a ampliação do número de leitos de cirurgia vascular e a transferência de 2.275 pacientes do HGE para os leitos de retaguarda.

 

A secretária lembrou, também, que foi concluída a primeira fase da reforma de ampliação da Unidade de Emergência do Agreste, em Arapiraca, e que a segunda fase encontra-se em fase de obras.

 

“Um dos avanços registrados o ano passado foi a implantação do Serviço de Cardiopediatria, considerado um sucesso em Alagoas, beneficiando centenas de crianças. Informações da Cordial [Fundação Cardiovascular de Alagoas], mostram que foram registrados 14 cateterismo diagnóstico terapêutico em 14 crianças e 21 procedimentos, 11 cirurgias, 227 ecocardiogramas e 453 atendimentos ambulatoriais”, ressaltou a titular da pasta da saúde estadual.

 

Na área de obstetrícia, o destaque foi a inauguração da Maternidade Escola Santa Mônica, com mais leitos e direcionada para a assistência as gestantes de alto risco e seus bebês. Constam, ainda, a conclusão e o envio do Plano de Oncologia para o Ministério da Saúde e a entrega da Base Descentralizada do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), na Serraria, em Maceió.

 

O combate ao Aedes aegypti foi realizado durante todo o ano, com a implantação de 11 Unidades de Vigilância Sentinela para monitoramento do zika vírus, além da capacitação dos agentes comunitários de saúde e a cooperação técnica entre a Vigilância em Saúde e a Atenção Primária. Rozangela Wyszomirska também evidenciou o repasse de recursos para os municípios por meio dos programas estruturantes Prohosp, Provida, Prosaúde e Promater.

 

Participaram da audiência pública o reitor da Universidade Estadual de Ciências da Saúde (Uncisal), Paulo Medeiros; o presidente do Conselho Regional de Medicina de Alagoas (Cremal), Fernando Pedrosa; técnicos da Sesau e o representante do Conselho Estadual de Saúde de Alagoas (CES/AL), Francisco Mata.

Mônica Lima – Agência Alagoas

Artigos relacionados