Santa Casa melhora fluxo de atendimento dos Ambulatórios de Anestesia do SUS

A Santa Casa de Maceió aperfeiçoou o atendimento dos Ambulatórios de Anestesia 100% SUS no Centro Médico Duílio Marsiglia (Centro) e na Santa Casa Poço. Nos quatro dias de funcionamento, 120 pessoas são consultadas pelos especialistas da Clínica de Anestesiologia de Maceió (CAM) para a habilitação em procedimentos cirúrgicos ou exames que necessitam de anestesia/sedação.

Com o fluxo de atendimento reestruturado, o número de adiamentos de cirurgias eletivas caiu. “Isso ajuda, e muito, pacientes que são do interior ou que têm dificuldade de locomoção. Orientamos que o paciente já tenha uma data prevista para a cirurgia para que a consulta seja feita entre sete a dez dias antes do procedimento. É o tempo necessário para tratar um processo hipertensivo, pausar algum remédio que esteja usando ou pedir exames complementares. Hoje, conseguimos manter um fluxo diário de 30 pessoas, o que garante mais qualidade ao atendimento e diminui o risco do paciente precisar fazer novas consultas por falta de exames, o que atrasaria a marcação da cirurgia”, explicou Cira Queiroz.

Cira Queiroz e Larissa Mendonça reforçam a importância do serviço para os pacientes

No Centro Médico Duílio Marsiglia (Centro), onde são realizadas consultas ambulatoriais da oncologia clínica, cirurgia oncológica, cirurgia geral, entre outras especialistas, e na Santa Casa Poço, são atendidos pacientes que serão operados na Santa Casa de Maceió e Santa Casa Nossa Senhora da Guia. “Pela resolução do Conselho Federal de Medicina (CFM), todos os pacientes que farão cirurgias eletivas têm que passar por uma consulta anestésica. Isso já havia sido implantado para os pacientes de convênio e particular. Esse serviço também é ofertado para pacientes do SUS. Eles são orientados sobre a técnica anestésica que será aplicada, e o tempo de jejum adequado, por exemplo, para diminuir o índice de complicação. Assim o paciente fica bem preparado”, explicou a especialista.

O serviço ofertado pela Santa Casa de Maceió não é usual na maioria dos hospitais de Alagoas. Geralmente, os pacientes conhecem o anestesista no momento da cirurgia. Para as especialistas, a implantação de uma rotina de avaliação permite que o anestesista verifique se há algum problema que possa ser resolvido antes da cirurgia, e programar melhor a anestesia, já que é possível saber se o paciente precisará de sangue, e quais suas comorbidades.

“Acredito que isso traz uma sensação de pertencimento e dignidade à pessoa que está cuidando da própria saúde, já que tem a oportunidade de solucionar suas dúvidas. O médico cria um vínculo com o paciente, que se sente mais seguro e menos ansioso na hora da cirurgia”, disse a anestesista Larissa Mendonça.

Durante a cirurgia, os anestesistas checam as funções do paciente (pulmão, coração, oxigenação, pressão) e intervêm se algum índice sofrer alteração ou houver complicações, como sangramento ou baixa considerável de pressão

Jornal Rede Repórter - Click e confira!




Botão Voltar ao topo