RETOMADA: turismo de eventos tem baixo índice de cancelamentos em AL e voltará a crescer em 2021

A pandemia do novo coronavírus afetou a realização de eventos de médio e grande porte, o que impactou negativamente no segmento de turismo de eventos. Porém, em Alagoas o índice de eventos cancelados foi baixo, segundo estimativas do Maceió Convention & Visitors Bureau (MCVB), entidade que fomenta a atividade na capital alagoana. Com 16 grandes eventos agendados para o ano de 2020, apenas três deles foram cancelados, quatro aguardam nova data e cinco foram adiados para serem realizados em 2021.

Ao todo, o MCVB prevê a realização de onze eventos já agendados para o ano que vem até o momento, garantindo a vinda de mais de 30 mil turistas ao estado neste segmento. Segundo a Superintendente do Maceió Convention, Danielle Novis, o setor de eventos em Alagoas sentiu, diretamente, os impactos do isolamento social decorrente da Covid-19. Esta questão também foi refletida no turismo em geral, diante da sua importância para a ocupação hoteleira e para a economia de Alagoas com a vinda dos participantes. No entanto, após os reajustes nos eventos que seriam realizados em 2020, a expectativa é muito positiva para o próximo ano.

“Estamos atravessando um momento de readaptações no setor MICE [em inglês, Meetings, Incentives, Conferences and Exhibitions]. Além das remarcações no calendário de 2020, nos deparamos com uma nova realidade que exige dos responsáveis por esses encontros uma nova perspectiva de fazer eventos. Para 2021, contamos com um grande número de encontros transferidos deste ano, resultando na soma de 31 mil participantes que estarão em Maceió. Dentre eles, seremos sede de eventos na área da educação, esportiva e médica, como o Congresso Brasileiro dos Conselhos de Enfermagem (CBCENF), um grande momento, pois além de reunir mais de 6 mil participantes, irá contar com a participação de profissionais da saúde, personalidades tão importantes neste momento”.

O segmento de turismo de eventos é um dos que mais impactam na economia do estado. Segundo estimativa da Fundação Getúlio Vargas (FGV), o turista de negócios gasta, em média, quatro vezes mais que o turista de lazer. Somente em 2019, cerca de R$ 68 milhões foram acrescidos à economia da capital alagoana através do setor, segundos dados do MCVB.

Para o secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico e Turismo, Rafael Brito, com a retomada dos eventos, Alagoas irá se destacar no cenário nacional. “Nosso estado já é um dos mais procurados nesta retomada da atividade turística. Devido à demanda reprimida, as pessoas estão buscando, como foco, as viagens de turismo de lazer, e essa tem sido nossa prioridade, mas assim que possível os grandes eventos e congressos irão voltar a acontecer, e Alagoas certamente será sede de muitos destes. A Sedetur faz um trabalho forte em parceira com o Maceió Convention na prospecção destes eventos e seguiremos reforçando nosso destino, que já vem se consolidando como um destino seguro pós-pandemia, com controle da doença e seguindo rigorosamente todos os protocolos de segurança internacionais”, pontuou Rafael Brito.




Botão Voltar ao topo