Paciente remove rim para se livrar de câncer, mas doença volta no baço

Um homem, de 32 anos, perdeu o rim esquerdo durante a luta contra um câncer. Um tumor, de 20 centímetros, havia aparecido no local e ele precisou passar por uma cirurgia para remover o órgão. Um mês depois, ele descobriu que o sarcoma sinovial voltou e dessa vez está no baço. Atualmente, Felipe Moreira dos Santos pede ajuda para custear o tratamento e a moradia, já que precisou se mudar para receber um atendimento especializado

O paciente é morador de Guarujá-SP, mas está de mudança para Barretos, no interior paulista, onde há o Hospital de Amor, especializado em casos de câncer. Em entrevista ao Portal G1, o oncologista Daniel Rebolledo explicou que o sarcoma sinovial é um tipo muito raro de câncer. Apesar de existirem mais de 50 subtipos de sarcomas, o sinovial compõe cerca de 5% de todos os casos.

O especialista disse ainda que os sintomas da doença são discretos. Inicialmente, o paciente pode perceber o aparecimento de um pequeno nódulo ou ‘caroço’, que costuma crescer lentamente.

Felipe descobriu o tumor nos rins ao sentir forte dores do lado esquerdo da barriga. Inicialmente, o rapaz achou que poderia ser pedra nos rins, pois ele já tivera cálculo renal anteriormente.

Posteriormente, Felipe percebeu um coágulo de sangue na urina e decidiu procurar por atendimento médico. Ele precisou ser internado e passou por exames médicos, que não apontaram alterações. No entanto, o médico afirmou que o rapaz realmente estava com cálculo renal e recomendou que ele bebesse água.

Algum tempo depois, Felipe começou a sofrer com o inchaço da barriga, mas pensou que poderia ser algo relacionado à comida do trabalho. Nessa ocasião, um caroço do tamanho de uma laranja apareceu do lado esquerdo de Felipe.

Ele procurou um urologista e foi solicitado que o paciente realizasse uma tomografia, pois havia a suspeita de algum cálculo ter ficado preso na uretra. No entanto, o exame apontou um tumor maligno de 20 centímetros no rim esquerdo, e ele foi submetido a uma cirurgia de urgência para a retirada o órgão.

Após a cirurgia, Felipe foi encaminhado para ser tratado por uma oncologista. A profissional pediu para o paciente realizar um exame chamado pet-scan, no entanto, o processo até que o resultado fosse entregue demorou cerca de um mês. Nesse período, Felipe voltou a queixar-se de dores.

Com o laudo em mãos, o paciente foi informado pelos profissionais que a doença havia voltado.

Felipe mudou-se para Barretos, onde há o Hospital de Amor, especializado em casos de câncer. Para ajudar a custear a moradia e alimentação por seis meses, dele e da esposa grávida, amigos e familiares decidiram criar uma campanha de arrecadação online.

Com informações de Jornal de Brasília




Botão Voltar ao topo