Mutange: Prefeitura inicia cadastramento complementar

Teve início, nesta quarta-feira (4), a ação da Prefeitura de Maceió para cadastramento complementar dos moradores do Mutange e do Jardim Alagoas. O objetivo é visitar as casas localizadas na área rosa claro do Mapa de Setorização de Danos do Serviço Geológico do Brasil (CPRM) e mobilizar as famílias que não se cadastraram no mês de julho ou deixaram pendências documentais.

Os moradores estão recebendo a visita da equipe de mobilização, que fornece um encaminhamento para que eles compareçam à Escola Municipal Edécio Lopes. Lá, o atendimento aos moradores para fazer o cadastro pela primeira vez aconteceu nesta quarta-feira (4) e segue toda a quinta-feira (5). Para aqueles que precisam realizar a atualização de documentos, o atendimento será na sexta-feira (6). O horário é das 9h às 12h e das 13h às 16h.

Carla Moura, diretora social da Defesa Civil, explica como será o processo de cadastramento e ressalta que os moradores só devem se dirigir à Escola com o encaminhamento em mãos. “Inicialmente a equipe vai a campo para verificar e fazer o chamamento individual, uma vez identificados, os moradores serão encaminhados para a Escola Edécio Lopes para fazer o cadastro habitacional. Além disso, haverá também uma busca daqueles que tiveram alguma pendência documental. É importante destacar que para os moradores se dirigirem à Escola devem estar portando o encaminhamento que nós iremos entregar no momento da abordagem em campo”, informou.

A maior parte das pendências de cadastros dos moradores do Mutange refere-se ao CadÚnico. “Foi identificado que muitas famílias precisam atualizar os dados do CadÚnico, por isso a equipe da Semas está aqui. A ideia é facilitar este processo, assim, as famílias não precisam ir até a Semas e depois vir aqui de novo”, explicou Emy Oliveira, assistente social da Secretaria Municipal de Assistência Social (Semas).

Durante este processo, as equipes da Defesa Civil, da Secretaria Municipal de Assistência Social e Secretaria Adjunta de Habitação Popular (vinculada à Secretaria Municipal de Infraestrutura) contam com o apoio de lideranças comunitárias, que auxiliam na identificação dos moradores e na comunicação de informações importantes na comunidade.

Para a líder comunitária, Vanessa Santos, esta parceria é fundamental. “É importante a parceria entre as lideranças e os órgãos envolvidos para que haja uma celeridade, já que, às vezes, a comunidade fica receosa de receber alguém em casa e nisso nós fazemos a intermediação. Existem vários grupos de Whatsapp com moradores, onde nós passamos as informações. Ontem mesmo repassamos um áudio e um texto sobre o cadastramento complementar e ainda assim houve um pouco de tumulto na frente da escola hoje”, afirmou.

“Além disso, ainda existem pessoas que resistem em sair de sua casa e do bairro e nós também ajudamos neste processo. Muitas vezes damos uma de psicólogos para mostrar a realidade e a necessidade de sair. Sair é uma necessidade mesmo e é o que a comunidade precisa entender, porque não dá para assumir o risco”, completou a líder comunitária.

Maria da Penha da Silva mora há 25 anos no Mutange. Ela conta que construiu a casa ao longo de muitos anos trabalhando como doméstica, mas mesmo assim entende a necessidade de se mudar, por isso já realizou o cadastro e aguarda a liberação dos apartamentos do programa Minha Casa, Minha Vida . “Tem noites que eu não consigo dormir, estou na base de calmantes e é muito doloroso o que está acontecendo com o nosso bairro. Nós não pedimos para isso acontecer, eu só queria viver em paz na minha casa, mas já que precisa sair eu espero que estes apartamentos sejam logo liberados”, disse.