Mudança de atitude: gestão da Ufal é ágil, recorre ao TCU e garante ganhos de aposentados

Servidores da Ufal sentiram “no bolso” e de forma positiva a mudança de atitude com relação ao passado e ao trato em relação aos direitos dos servidores nesta nova gestão da Ufal, liderada pelo professor Josealdo Tonholo.

Enquanto a gestão passada da Universidade foi passiva e permitiu o corte de rubricas com inúmeras perdas nos vencimentos dos trabalhadores ativos e inativos da Universidade, a administração atual da Ufal se impôs e evitou mais perdas.

Isto porque a atual gestão da Universidade Federal de Alagoas conseguiu efeito suspensivo das determinações contidas no Acórdão 6.315/2020 do Tribunal de Contas da União (TCU) que prejudicaria, de imediato servidores aposentados da instituição. Eles perderiam 26,05% (URP – segundo grupo) e teriam redução de quintos de funções antigas (FCs) em seus vencimentos.

Em despacho assinado na última semana, o relator Walton Alencar Rodrigues concedeu efeito suspensivo, acatando recurso de reexame impetrado pela instituição. Pela determinação do TCU, os valores já deveriam ser retirados na folha de pagamento deste mês de agosto.

Vitória maiúscula para a gestão Tonholo e para o pró-reitor de gestão de pessoas Wellington da Silva Pereira, que liderou a empreitada.




Botão Voltar ao topo