Médico cuida tão bem de crianças em UTI que elas querem ficar no hospital

Cuidar de crianças é realmente apaixonante, sobretudo de criancinhas com algum problema de saúde. É por isso que o doutor Thallys Ramalho coloca todo o amor do mundo no seu trabalho e é reconhecido pelos pais e, principalmente, pelas crianças.

Thallys é coordenador da UTI pediátrica do Hospital Santa Helena, em Brasília, há um ano. O tratamento humanizado dos pequenos pacientes é uma marca tão forte que faz até com que eles queiram voltar para o hospital. Sério!

“Eu já vi criança querer voltar em circo. Já vi criança querer ficar mais tempo em festa. Já vi criança não querer sair do pula-pula. Mas juro que essa é a primeira vez que vejo uma criança não querer sair de uma UTI de hospital“, disse Igor Saraiva, padrasto da pequena Júlia.

Júlia, de 9 anos, passou 24 dias na UTI e ao receber alta, o padrasto fez um certificado para o doutor Thallys com o seguinte título: “UTI Mais Extraordinária do Mundo“.

“Uma certificação de padrão internacional. A melhor que poderia receber! Chorei quando ganhei esse presente! É gratificante demais ouvir de uma paciente que vai sentir saudades”, disse o médico.

“Quero virar médica por causa dele“, disse Juju. Que fofura!
Júlia se inspirou no exemplo do doutor Thallys e também quer ser médica por causa dele. Foto: Arquivo pessoal

Garota que passou 70 dias na UTI dá placa de agradecimento
O reconhecimento ao doutor Thallys não fica restrito à família de Júlia não. Um dos casos de paciente mais complicados da UTI terminou com uma linda declaração em forma de uma placa.

Gabriela Guardiano passou 70 dias na unidade de terapia intensiva. Nesse período teve que fazer traqueostomia, ficou sedada e fez muita fisioterapia para se recuperar. Ao receber alta, ela entregou uma placa ao coordenador da unidade demonstrando toda a gratidão pelo carinho recebido.

Thallys fez de tudo para tornar os dias da Gabi menos dolorosos. Até desafio da quarentena nas redes sociais ele criou pra atender ao desejo da garota de tomar milk shake. Olha que luxo para um UTI hein?!

E num parou por aí não! Gabi estava sentindo triste, pra baixo, depois de mais de dois meses internada. Aí o médico chamou uma cabeleireira, que fez corte e maquiagem.

“É muito importante a gente tentar amenizar a dor do outro! Uma mãe me disse uma coisa bem marcante: amor também é remédio“, disse Thallys.

Pais podem visitar os filhos na hora que quiserem
Um dos maiores sofrimentos para as crianças em UTI é ficar a maior parte do tempo só. Nessa unidade, doutor Thallys autorizou que os pais possam visitar seus filhos a qualquer horário.

“Aqui não tem horário de visita. Se a mãe quer falar 3h da manhã, ela fala. Os acompanhantes ficam full time conosco. Eles vão para casa no tempo deles”, disse. Nossa que sensibilidade! E isso faz toda a diferença na recuperação das crianças né.

Vontade de humanizar UTI surgiu de experiência ruim com avó
Doutor Thallys, mais do que ninguém, entende o quanto é importante humanizar o espaço da UTI.

“Eu já passei por uma experiência ruim. Minha avó que me criou ficou internada e morreu na UTI. Era um ambiente frio e tenso. O acesso aos médicos era complicado. A gente chorava sozinho“, relembrou.

Ele se tornou médico para não deixar que aconteça o que aconteceu com ele a outras famílias.

Esposa do médico também é pediatra e atua com humanização
E nessa apaixonante tarefa de levar o bem às crianças doentinhas, doutor Thallys encontrou uma parceira. A esposa dele, Camila Ferreira, também é pediatra e trabalha da mesma forma com seus pacientes.

Camilla interage com as crianças durante o tratamento até jogando xadrez se for preciso. Foto: Arquivo pessoal
Até jogar xadrez ela joga com as crianças. “Às vezes pequenos gestos de amor fazem a diferença no dia daqueles que tanto precisam. Nós cuidamos de criança, então quando acolhemos a família criamos laços de confiança e amizade”, disse.

E assim eles dois e toda a equipe vão levando mais amor a esses pequenos.

Que exemplo!

Via @razoesparaacreditar




Botão Voltar ao topo
Fechar