Mães, guerreiras na agricultura e orgulho dos filhos

Josenilda e Cairo emocionados no Assentamento NunesRoseli

A cada ano, aumenta a participação de mulheres no setor agrícola que vem nos mostrando, assim, o empoderamento no âmbito da agricultura familiar. A mulher vem recebendo destaque, não apenas por serem chefes de família, mas, por conquistarem espaços e serem donas de propriedades ou produtoras.

Elas são um exemplo de garra e perseverança em um setor – majoritariamente – controlado por homens. Segundo uma pesquisa do site FieldView, as mulheres ocupam cerca de 20% dos estabelecimentos rurais do Brasil. Com a pandemia, o setor despontou e vem sendo a principal fonte de renda para o Estado.

Boa parte das agricultoras nascem e se criam no campo como uma cultura que é passada de geração em geração. Uma delas é a dona Josenilda da Silva (56), viúva e mãe de quatro filhos. Ela conseguiu sustentá-los à base do campo em Girau do Ponciano.

“Aqui a gente produz feijão, milho, abóbora e batata. Também temos produção de palma, fumo e criação de abelhas. Dá para a gente sobreviver da agricultura e, em relação às vendas, a maioria dos alimentos são vendidos, mas também ficamos para consumo próprio”, destacou dona Josenilda.

Ela e a família vivem no Assentamento Roseli Nunes produzindo e comercializando os vegetais da horta que possuem. Dona Josenilda nos mostrou os prós e os contras da vida agrícola.

“A parte boa de ter a sua própria produção é que você sempre terá a mesa farta de alimentos. E, a parte complicada, é não ter um comerciante que realmente adquira o nosso produto no valor ideal ou ter um inverno estio porque perdemos a produção por conta da estiagem”, comentou.

A relação entre ela e os filhos é de amor mútuo, onde todos participam das atividades do campo desde a aração até a colheita, respeitando os horários dos estudos dos mais novos. Um deles é Cairo da Silva (30) que não poupou elogios para a mãe,

“Ela é amiga e guerreira! É mãe e pai e, ao mesmo tempo, é conselheira… Não tem dinheiro que pague no mundo. Minha mãe é tudo para mim e para toda minha família”, ressaltou o filho.

Emocionado, Cairo, fala com orgulho o motivo de seguir os passos da mãe no campo.

“Eu segui o ofício da minha mãe, primeiramente por falta de emprego e, segundo, porque não me vejo na cidade. A minha vida é campo, junto com minha mãe e meus irmãos. E meu espaço é esse mesmo: seguir trabalhando no campo para conseguir meu sustento e a alimentação para a minha família”, completou.

Da mesma forma temos a história de Maria Claudiane (41) e Vitória Araújo (16), mãe e filha, respectivamente, do Sítio Quiribas, em Senador Rui Palmeira. Maria tem outros três filhos, além de Vitória, e batalha todos os dias para oferecer o melhor para eles.

“Produzimos em grande variedade como verduras, macaxeira, feijão de corda, milho e algumas frutas. Estamos no campo desde sempre, pois vivemos da agricultura familiar que vem das gerações anteriores”, disse dona Maria.

Ao colherem os vegetais, a família vende na feira e no Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) –  que é essencial para a renda dos agricultores familiares, principalmente durante a pandemia. A família recebe auxílio da Secretaria de Estado da Agricultura.

“A Seagri nos fornece a assistência técnica de Luiz Márcio, em nosso município, Senador Rui Palmeira, e tira nossas dúvidas, nos ensina o modo correto de plantar e como se defender das pragas e correção de solo”, explicou.

Sua filha, Vitória, falou sobre o orgulho que sente de Maria.

“Minha mãe é uma mulher guerreira que está sempre buscando melhorias para nossa família. Lutando todos os dias para termos um futuro melhor. Sou muito grata por tudo que ela faz por mim e amo muito ela. A mãe é inspiradora pra nossa família , uma mulher trabalhadora e muito guerreira”, disse emocionada.

Esses são apenas alguns exemplos de mães que vivem em áreas rurais alagoanas e que lutam todos os dias para prover o alimento dos filhos. Enfrentam às adversidades ocasionadas pela pandemia, detém marcas do tempo escaldante do campo, mas nos mostram força e garra para oferecer uma vida melhor aos descendentes.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!




Botão Voltar ao topo