Jovens assistidos pela Assistência Social participam de curso de operador de computador

Cerca de 32 jovens, assistidos pela Secretaria Municipal de Assistência Social, participam do curso de operador de computador. A formação está sendo ministrada no Senai Poço, em duas turmas com 16 participantes, nos horários da manhã e da tarde. As aulas começaram na segunda-feira (17) e estão previstas para terminar no mês de abril.

Dentre os alunos do curso estão aqueles em situação de acolhimento institucional e outros em cumprimento de medidas socioeducativas. Em respeito ao que determina o Estatuto da Criança e do adolescente, no decorrer da matéria, estes personagens não serão identificados.


Qualificação aproxima jovens do mercado de trabalho. Foto: Ascom Semas
Qualificação aproxima jovens do mercado de trabalho. Foto: Ascom Semas

Uma jovem de 20 anos pretende trabalhar na área administrativa, a exemplo de um escritório. “Participar do curso é uma oportunidade de abrir as portas para conseguir um trabalho, já que em muitas áreas, a gente precisa utilizar o computador”, relata.

Com 18 anos, a expectativa de um dos jovens participantes da qualificação é bastante otimista. Ele conta da oportunidade que foi concedida para unir os conhecimentos em informática com a música. “Meu sonho é ser MC, de rap. Esse curso vai melhorar bastante o desenvolvimento para eu gravar minhas músicas, fazer minhas poesias, editar as faixas. Nunca imaginava que eu ia receber essa oportunidade e eu abracei”, conta.


Jovens assistidos pela Semas fazem curso de operador de computador. Foto: Ascom Semas
Jovens assistidos pela Semas fazem curso de operador de computador. Foto: Ascom Semas

Ao participar do primeiro curso de qualificação profissional, outro aluno de 19 anos, quer aperfeiçoar o aprendizado em informática para utilizar na edição de músicas e ajudar os amigos que cantam rap. “Eu sou beatmaker, crio beat de músicas e daí vim aperfeiçoar o meu objetivo, que é utilizar o conhecimento no meu trabalho com a música, mixagem de sons e criação de efeitos sonoros”, revela.

Em tempo, o beatmaker, atua como uma espécie de produtor musical, construindo sons eletrônicos a partir de uma melodia. O profissional sequencia loops, samples, que são compostos com instrumentação musical, ao vivo ou de forma virtual, repetindo sonoridades de outros artistas, ou criando áudios originais numa música.


Jovens miram o ingresso no mercado de trabalho. Foto: Ascom Semas
Jovens miram o ingresso no mercado de trabalho. Foto: Ascom Semas

O professor de informática, Luís Adrilan, explica que no início da formação os alunos vão ter o conhecimento geral sobre computação, desde os princípios básicos da informática, o conceito do que é um sistema informatizado e seus componentes. No decorrer do curso, os alunos vão aprender a utilizar o computador, os sistemas operacionais e os principais aplicativos utilizados no dia a dia de trabalho.

“Este conhecimento é a base para que os alunos consigam desenvolver qualquer outra atividade profissional, porque a informática está inserida em praticamente todas as profissões e todas as atividades. O curso serve como alicerce para que eles apliquem o conhecimento em qualquer atividade profissional que envolva o uso de informática, presente em quase todas as áreas”, ensina Luís.


Professor de informática do Senai, Luís Adrilan. Foto: Ascom Semas
Professor de informática do Senai, Luís Adrilan. Foto: Ascom Semas

O professor enfatiza ainda a parceria entre a Prefeitura de Maceió por meio da Assistência Social e o Senai ao ofertar a formação para os jovens. “Levar essa oportunidade para as pessoas que não teriam condições de pagar por um conhecimento desse nível é muito interessante e eu acredito firmemente que esse tipo de acesso para eles abre possibilidades profissionais numa atividade remunerada como funcionário ou empreendedor”, revela.

A formação ofertada aos jovens não está restrita à área técnica da informática, mas leva em conta ainda as habilidades e conhecimentos necessários sobre o mercado de trabalho e a comunicação. Os depoimentos a seguir são de jovens que não estão inseridos em situação de medidas socioeducativas ou de acolhimento institucional. Por isso suas identidades foram reveladas.

Formada no curso técnico de marketing numa escola pública de Maceió, a jovem Mariana Ferreira Jucá, 18 anos, acredita que a qualificação é uma oportunidade para trabalhar. “Espero que depois do curso eu consiga ingressar no mercado de trabalho, já com esta experiência em computação, que hoje em dia é muito importante. Eu acho que está tudo ligado porque o marketing está muito presente nas redes sociais, então é uma ótima maneira de utilizar, através da internet”, diz.


Maria Jucá (esquerda) com a amiga, Raquel Silva no curso de informática. Foto: Ascom Semas
Maria Jucá (esquerda) com a amiga, Raquel Silva no curso de informática. Foto: Ascom Semas

Com formação técnica em marketing, Cliver Guilherme Vieira dos Santos, 17 anos, pretende unir as duas formações para atuar como profissional na área de tecnologias digitais. Minha expectativa é muito boa porque eu sei que isso vai agregar no meu futuro. Como eu já tenho uma formação em marketing, isso pode ajudar muito mais no uso desta ferramenta em meios tecnológicos como computador, tablet e celular”, explica.


Clyver dos Santos no curso de informática. Foto: Ascom Semas.
Clyver dos Santos no curso de informática. Foto: Ascom Semas.

Conecta Jovem

A iniciativa em ofertar a formação aos jovens é da Secretaria de Assistência Social de Maceió por meio das Diretorias de Proteção Social Especial e Promoção da Cidadania e Direitos Humanos, sendo a responsável pela criação do Conecta Jovem. O projeto tem o objetivo de ofertar capacitação profissional voltada à inclusão digital e ao mercado de trabalho para os jovens, com prioridade, aos que estão em situação de acolhimento institucional ou em cumprimento de medidas socioeducativas.

Por isso, a qualificação segue o determina o Estatuto da Criança e do Adolescente, que garante o direito à educação e ao desenvolvimento pessoal. A idade mínima exigida é de 14 anos e é preciso estar no sétimo ano ou ter completado o Ensino Fundamental.

O curso de operador de computador tem duração total de 240 horas. Serão duas turmas compostas por 16 alunos cada. Pela manhã, as aulas são ministradas das 7h30 às 11h30 e à tarde das 13h30 às 17h30, de segunda a sexta-feira, de janeiro até o mês de abril, no Senai Poço.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!




Botão Voltar ao topo