iPedra: Consumidora compra iPhone 11 pela internet e recebe caixa com pedras

A jornalista Mônatha Nogueira, de 29 anos, viu uma simples compra pela internet se transformar num verdadeiro martírio. Mônatha, que mora em Goiânia, comprou e pagou à vista um iPhone 11, modelo considerado de última geração, pelo site oficial de um grande rede de lojas. Porém, no lugar, recebeu uma caixa com pedras dentro. Desde então, a jornalista tem recorrido a todos os meios possíveis para tentar recuperar o prejuízo e entender o que aconteceu.

Mônatha conta que comprou o iPhone no dia 21 deste mês pelo site oficial da rede de lojas Casas Bahia. A jornalista, que se diz acostumada a comprar pela internet, destaca que se atentou ao site para ter certeza de que estava acessando um local seguro. “Me certifiquei se não eram aquelas lojas que usam sites pra fazer as vendas, digamos, que de forma terceirizada, e não era”, relata.

Após escolher o aparelho, um iPhone 11 Apple de 64GB, Mônatha desembolsou o valor de R$ 4.338,90 no cartão de débito. Pronto, a jornalista havia efetuado a compra com sucesso. Entretanto, os problemas começaram logo em seguida. Depois de adquirir o produto, Mônatha foi informada pela transportadora que não conseguia encontrar seu endereço. “Como eu já sou cliente, já comprei outras vezes nas Casas Bahia, achei estranho”, recorda. Mônatha, então, entrou em contato com a própria transportadora para verificar o que havia acontecido.

A encomenda foi entregue no mesmo dia da reclamação para a transportadora. Contudo, ao pegar o pacote, Mônatha notou que a embalagem externa, onde fica a nota fiscal, estava violado. Ao abrir o pacote completamente e verificar o conteúdo da caixinha do celular, a surpresa: no lugar de um iPhone 11, havia outra coisa. “Na recepção mesmo, junto com o porteiro, eu abri a caixa e em vez de vir um iPhone, que eu comprei, veio uma caixinha do celular da marca Motorola e duas pedras dentro”, relata.

“Eles nos deixam no escuro”
Mônatha tem recorrido aos meios disponíveis desde o dia 21, na tentativa de reaver o dinheiro gasto, literalmente, em pedras. A jornalista conta que registrou um Boletim de Ocorrência e reclamou no site Reclame Aqui contra a loja e a transportadora. No momento desta entrevista, Mônatha estava fazendo reclamação no site do Procon.

A jornalista goiana também registrou uma reclamação no Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC) das Casas Bahia. A rede de lojas pediu 10 dias úteis pra buscar a mercadoria na casa Mônatha para análise. Enquanto isso, Mônatha segue no prejuízo.

“Eu comprei esse celular com foco no meu trabalho porque sou jornalista. Eu já deveria estar com o produto e agora, na melhor das hipóteses, vou ter meu produto em no mínimo 20 dias. O que mais me deixa indignada é que eles nos deixam no escuro”, desabafa.

Apesar de decepcionada, Mônatha tenta levar o caso com descontração. A jornalista conta que já foi até alvo de memes por parte dos amigos. “Eles me perdem, mas não perdem a piada”, brinca.

Com informações de Mais Goiás




Botão Voltar ao topo