IBGE: setor de serviços de Alagoas tem o maior tombo do País

Os serviços prestados em Alagoas registraram uma retração de 33,1% em junho, na comparação com o mesmo mês do ano passado, segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) divulgada nesta quinta-feira (13), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Trata-se da maior queda entre as 27 unidades da federação, segundo os dados.

Na comparação com o mês de maio, o setor de serviços alagoano registrou alta de 1,8% em junho – o primeiro mês de afrouxamento das regras previstas no decreto do governo de Alagoas que proibiu o funcionamento de serviços considerados não essenciais, como bares e restaurantes.

 “Com as medidas de isolamento, muitos restaurantes estavam fechados, ainda que alguns estivessem funcionando por delivery. Com a flexibilização, ou seja, com o aumento do fluxo de pessoas nas cidades brasileiras, eles começaram a abrir e a receita do segmento voltou a crescer, impactando o volume de serviços de junho”, explica o gerente da pesquisa, Rodrigo Lobo.

Com o resultado de junho, o setor de serviços de Alagoas acumula uma retração de 17,8% – a maior do País, segundo o levantamento do IBGE. Em doze meses, os serviços no Estado amargam uma queda de 12%.

Receita nominal

Em junho, a receita dos serviços locais registra também a maior queda do País, com 31% na comparação com o mesmo mês do ano passado. Ante maio, houve uma leve alta de 0,6%. Já no acumulado do ano, a receita do setor registra perdas de 17,4%. E em doze meses, a queda é de 11,3%.

Em todo o País, o setor de serviços registrou queda de 12% em junho, na comparação com o mesmo mês do ano passado. Na comparação com maio – quando o isolamento social provocou o fechamento de vários segmentos -, o volume de serviços no país cresceu 5%. A alta veio depois de quatro quedas consecutivas do indicador, quando acumulou perda de 19,5%.




Botão Voltar ao topo