Falso corretor de seguros é denunciado após golpe de R$100 mil em empresário

Um homem identificado como Kilson de Souza da Silva, 36, é acusado de aplicar diversos golpes em Maceió. Alegando ser uma das vítimas do falso corretor de seguros, um empresário afirma que o prejuízo dos golpes pode chegar a R$ 1 milhão. De acordo com a polícia, há dois registros de ocorrências por estelionato contra o suspeito

Além de ter perdido os R$ 100 mil em seguros, a vítima informa que ainda teve o carro furtado. “Eu fazia todos os meus seguros com ele. Fiz uma viagem para o exterior e Kilson, que era meu amigo, ficou com meu carro para vender. Quando voltei, descobri que ele tinha fugido. Ao fazer o boletim de ocorrência, descobri que o veículo estava sem seguro há seis anos”, disse.

O empresário ainda afirma que o padrasto também caiu no golpe. Ele alega que o veículo estava sem seguro desde agosto do ano passado e isso só foi descoberto após uma emergência da família.

Foi registrado pela vítima um boletim de ocorrência no Complexo de Delegacias Especializadas (CODE), em 19 de julho. Um inquérito será aberto e o caso investigado pelo 4º Distrito Policial.

A delegada Luci Mônica, da Central de Inquéritos Policiais Pendentes (CIPP), foi procurada pelo empresário para realizar a denúncia e o boletim de ocorrência. Foi verificada, durante a pesquisa, o registro de mais duas ocorrências pelo mesmo crime, em nome de Kilson. “Coletei as informações e entrei em contato com o delegado Antônio Edson, que vai receber a vítima e abrir o inquérito policial para investigar o caso”, explicou.

O acusado alegava trabalhar em uma seguradora, que fica no Barro Duro, para aplicar o golpe. O dono da empresa, que não quis ser identificado, revelou que o caso veio à tona no início do mês, quando Kilson desapareceu com o carro da vítima. “Ele saiu da empresa em 2015, quando deu um golpe em um seguro de veículo e causou grandes problemas. Ele chegou a responder um processo. Durante este mês, quatro clientes dele já foram à empresa procurar saber sobre o seguro”, informou.

O presidente do Sindicato dos Corretores de Seguros de Alagoas (Sincor-AL), Edmilson Ribeiro, confirmou que o suspeito não é corretor de seguros. “Recebi a informação e realizamos um levantamento, concluindo que ele não é corretor e muito menos sindicalizado”, contou.

31/07/2017

Artigos relacionados