Facebook, Instagram e Snapchat também bloqueiam perfis de Trump

Outras redes sociais seguiram a decisão do Twitter de suspender ou travar a conta do atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Facebook, Instagram e Snapchat tomaram a mesma decisão de forma independente nesta quarta-feira (7).

O Twitter foi a primeira plataforma a travar a conta pessoal de Trump, que era utilizada também para assuntos presidenciais. Várias postagens foram sinalizadas como imprecisas ou foram removidas, com a rede social dando 12 horas para que publicações que ferem termos de serviços fossem apagadas.

A ação que desencadeou as represálias das redes sociais foi a invasão violenta ao Capitólio registrada durante uma sessão que confirmaria a vitória de Joe Biden nas eleições presidenciais ocorridas no último ano — e indiretamente convocada pelo próprio candidato derrotado em um discurso realizado no mesmo dia, ainda sob o discurso de que o processo foi fraudado.

Facebook

Durante a noite, o Facebook comunicou que a página de Trump recebeu duas advertências de violação de termos de uso da plataforma. O resultado foi um bloqueio de 24 horas que impede novas postagens enquanto a punição estiver em andamento.

“Os protestos violentos no Capitólio hoje são uma desgraça. Nós proibimos a incitação e chamadas pela violência em nossa plataforma. Nós estamos ativamente revisando e removendo qualquer conteúdo que quebre essas regras”, afirmou o porta-voz do Facebook, Andy Stone, ao site da CNN.

Instagram

O CEO do Instagram, Adam Mosseri, confirmou que a mesma punição aplicada pelo Facebook também foi efetuada na plataforma de fotos e vídeos. A empresa pertence ao conglomerado de Mark Zuckerberg.

Além de suspender o perfil de Trump, Mosseri confirmou que a situação de emergência levou a um maior filtro nas publicações. Postagens pedindo o envio de armas à região do Capitólio e tentativas de novos atos violentos nos próximos dias também serão apagados.

Snapchat

A última grande rede social a anunciar uma suspensão foi o Snapchat. Ela também travou a conta de Donald Trump por “preocupações a respeito do perigo da retórica utilizada na conta”. Não há um prazo para a suspensão, mas a plataforma garantiu que vai monitorar de perto a situação. O cofundador e CEO da empresa, Evan Spiegel, já havia anunciado em junho de 2020 que o perfil do político deixaria de ser promovido na aba “Discover”.




Botão Voltar ao topo