Estudo investiga se sedentarismo intensifica sintomas do coronavírus

Um grupo de pesquisadores brasileiros está realizando um estudo para entender se existe relação entre o sedentarismo e a chance de hospitalização dos pacientes de Covid-19. O questionário também busca entender a relação entre a quantidade de atividade física ou exercícios praticados pelo doente antes de ser infectado e a intensidade dos sintomas.

A pesquisa está sendo realizada pelo Incor (Instituto do Coração do Hospital das Clínicas de São Paulo) em parceria com pesquisadores da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul), UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) e UERJ (Universidade do Estado do Rio de Janeiro). Os resultados devem sair em dois meses.

“Nós já sabemos a relação entre sedentarismo e algumas doenças crônicas como hipertensão, obesidade e diabetes, que são fatores de risco para a Covid-19. Queríamos entender se existe diferença no desfecho da doença entre ativos e sedentários”, afirma o profissional de educação física, Marcelo Rodrigues  dos Santos, pesquisador do Incor.

Para verificar essa relação, os pesquisadores colocaram como pergunta central do estudo a necessidade de internação, mas também vão verificar o tempo de internação, a necessidade de utilização de respiradores e a intensidade dos sintomas.


Botão Voltar ao topo
Fechar