EM OFÍCIO A PAULO GUEDES! Marx pede volta do pagamento do Auxílio Emergencial

O deputado federal Marx Beltrão (PSD) protocolou nesta sexta-feira (12) na Câmara dos Deputados ofício destinado ao ministro da Economia Paulo Guedes, solicitando a voltada urgente do pagamento do Auxílio Emergencial diante da pandemia da Covid-19. O documento protocolado cita a grave situação econômica do país, a vulnerabilidade social de parcela significativa da população e a necessidade de medidas a fim de beneficiar a população mais carente em tempos de pandemia.

“Senhor Ministro, é imperioso que o governo federal retome esta política social do Auxílio Emergencial, uma vez que a mesma já se findou em meados do final de 2020 e de janeiro de 2021. Os números da pandemia da Covid-19 ainda são alarmantes em todo o território nacional, com mais de 9,6 milhões de casos da doença e, lamentavelmente, mais de 230 mil falecimentos devidos ao novo vírus” pede o coordenador da bancada alagoana no Congresso Nacional ao ministro Paulo Guedes.

“As medidas sanitárias necessárias de isolamento social, se por um lado são vitais para a contenção do alastramento pandêmico do novo coronavírus, por outro tem um reflexo danoso na economia nacional. A vida e a saúde da população estão em primeiro plano, fato este indiscutível. Porém, é necessário conciliar esta salvaguarda da saúde coletiva ao saudável andar da economia brasileira” diz trecho do ofício do parlamentar destinado ao ministro da Economia.

Prossegue o documento: “neste contexto, o Auxílio Emergencial foi uma medida mais que acertada adotada pelo governo do presidente Jair Bolsonaro, em consonância com os anseios deste Congresso Nacional. Em 2020, o governo pagou R$ 600 mensais a quase 64 milhões de pessoas, totalizando um investimento de cerca de R$ 290 bilhões. Trata-se de soma vultosa, que foi por demais importante para a subsistência de milhares de famílias brasileiras”

Novo Auxílio Emergencial

O presidente Jair Bolsonaro afirmou na quinta-feira (11) que o novo Auxílio Emergencial para os trabalhadores informais pode começar a ser pago em março e deve durar entre três e quatro meses. Segundo ele, o valor não está definido e o início dos repasses está em negociação com o Congresso Nacional, que precisa aprovar um projeto de lei instituindo novamente a medida.

“Tá quase certo, né? Não sabemos o valor. Com toda a certeza, pode não ser, né?, a partir de março, [por] três, quatro meses, [é o] que está sendo acertado com o Executivo e com o Parlamento também”, afirmou em uma rápida entrevista à imprensa concedida após um evento em Alcântara (MA), para entrega de títulos de terra.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!




Botão Voltar ao topo
error: Conteúdo protegido!