Davi Maia requer ao Governo criação de protocolo para liberação do setor de eventos

A criação de um protocolo para liberação do setor de eventos, impedido de atuar por força do decreto governamental para conter o avanço da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), foi o apelo feito pelo deputado Davi Maia (DEM) durante a sessão ordinária desta terça-feira, 8. “Gostaria de fazer esse apelo ao Governo do Estado e à Prefeitura de Maceió. O número de contágio do coronavírus vem diminuindo, mas precisamos, urgentemente, impedir que mais empresas quebrem. Precisamos, urgentemente, resgatar a economia”, argumentou o parlamentar, destacando a importância do setor.

De acordo com dados apresentados por Davi Maia, são cerca de 60 mil empresas de eventos que movimentam, no Brasil, 4,32% do PIB (Produto Interno Bruto), que geram, aproximadamente, 1,9 milhão de empregos; cerca de R$ 209 bilhões de faturamento; R$ 48 bilhões de impostos; 590 mil eventos realizados; 203 milhões de participantes. “Esse setor chegou ao sexto mês sem funcionar. Estamos com as praias lotadas, com festas e mais festas particulares, com os bares e restaurantes fazendo filas nas portas. Por que não liberar o setor de eventos?”, questionou o parlamentar, apelando para que para que medida seja tomada atendendo a protocolos sanitários que resguardem a saúde das pessoas.

“A Abrape (Associação Brasileira de Promotores de Eventos) já produziu um protocolo específico para o setor. Estou aqui para pedir ao Governo e à Secretaria de Cultura que volte sua atenção para os garçons, os artistas, as recepcionistas, ou seja, todos aqueles que estão envolvidos com o setor de eventos do Estado”, apelou Maia, observando ainda que Alagoas não teria feito os encaminhamentos necessários para aderir à Lei Aldir Blanc e, com isso, o Estado será o último do País em que os artistas receberão recursos assegurados por essa legislação.




Botão Voltar ao topo