Cibele Moura apresenta projeto de resolução sobre Pacto Federativo

Durante a plenária desta quarta-feira, 5, a deputada Cibele Moura (PSDB) informou aos pares que está apresentando um projeto de resolução que dispõe sobre  o Pacto Federativo, um dos grandes problemas brasileiros, segundo a parlamentar. Na avaliação dela, muitos problemas de interesse do Estado de Alagoas, por exemplo, são resolvidos em Brasília. “Muitas vezes por pessoas que não conhecem a realidade do alagoano. Por melhores que sejam os nossos deputados federais, por maior que seja o empenho dos nossos senadores, ainda somos um estado pequeno, inclusive em número de parlamentares federais”, observou Cibele Moura.

A deputada explicou que projeto de resolução semelhante já está sendo analisado em Santa Catarina, por iniciativa do deputado Bruno Souza (NOVO), que tem por finalidade tornar-se uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC), para rever o Pacto Federativo, dando maior autonomia aos Estados e Municípios. Para isso, informa Cibele Moura, é necessário que pelo menos 14 assembleias legislativas aprovem um projeto de resolução. “Alagoas é um Estado que, de fato, tem uma realidade diferente de São Paulo, por exemplo. Vamos tratar (dos problemas) dentro da Assembleia, com os deputados que estão mais perto do povo alagoano”, observou a parlamentar.

“Sabendo e conhecendo a realidade desta Casa Legislativa, onde conseguimos ter um diálogo mais próximo (com a sociedade), apresentei esse projeto de resolução”, contou Cibele, agradecendo a colaboração dos deputados Bruno Toledo (PROS), Léo Loureiro (PP), Breno Albuquerque (PRTB), Cabo Bebeto (PTC), Davi Maia (DEM), Marcelo Beltão (MDB) e Yvan Beltrão (PSD).

Nessa linha, a parlamentar lembrou o slogan utilizado pelo presidente Jair Bolsonaro durante a campanha presidencial de 2018: “Mais Brasil e Menos Brasília”. “Que deixe de ser um slogan e passe a ser realidade. Precisamos defender que os Estados e Municípios tenham autonomia para decidir e gerir a sua população. Vários são os exemplos de decisões que são tomadas em Brasília e que não atendem a população alagoana, seja economicamente, seja na questão dos costumes, enfim, são várias as decisões que o Parlamento alagoano tomaria para atender melhor a expectativa do cidadão”, argumentou Cibele Moura.




Botão Voltar ao topo