Chico Buarque, Francis e o “Arapiraca”. Futebol e Música (parte 5)


Chico Buarque, Francis e o “Arapiraca”. Futebol e Música (parte 5)

Os compositores da música “E Se..” Chico Buarque e Francis Hime

A canção “E Se…” é um dos sambas do compositor e cantor Francis Hime em parceria com o mito Chico Buarque, no qual os autores sugerem sucessivas perguntas loucas na letra.

Neste sambinha, os dois autores revelam-se questionando coisas supostamente impossíveis de se pensar no tempo em que foi composta, ali no início dos anos 1980. Vale destacar neste rol os versos, por exemplo, (…) “E se o oceano incendiar;; E se cair neve no sertão; E se o urubu cocorocar…”

Mas um verso em particular desta composição nos interessa, uma vez que se trata de música e futebol, assim como refere-se, também, a um clube cá das Alagoas: o ASA de Arapiraca.

Freitas, ídolo do ASA de Arapiraca nos anos 1970 e 1980: Foto Capa: Ricardo Lêdo

Quando Francis e Chico compuseram a música certamente pensaram em descrever situações quase impossíveis de acontecer. E a incredulidade de Francis e Chico aparecem com todas as letras em relação ao Alvinegro alagoano no verso “E se o Arapiraca for campeão?”, como que seria uma coisa impossível de isto acontecer. Impensável.

Observe-se ainda que a composição crava o ASA ainda como “Arapiraca”, pois era assim que os de fora de Alagoas tratavam o time arapiraquense naquela época, pelo pouco conhecimento que tinham do futebol alagoano e, em particular, que existisse uma cidade no Brasil com o nome de Arapiraca e, consequentemente, um time de futebol.

Parece que a música deu sorte ao time de Arapiraca, que já foi campeão alagoano em diversas oportunidades a partir de então, inclusive tornando-se definitivamente conhecido nacionalmente ao eliminar o poderoso Palmeiras-SP do torneio Copa do Brasil, dirigido pelo então técnico Vanderley Luxemburgo, ex-seleção brasileira.

ASA deixou o técnico Vanderley Luxemburgo com mão na cabeça ao desclassificar o poderoso Palmeiras de uma competição nacional. Foto: Torcida Jovem do Palmeiras

O fato teve uma repercussão enorme no País e foi o ápice da fama do ex-Arapiraca e agora respeitado ASA. Em suma, foi o que se chama de divisor de águas para o time da terra de Manoel André.

Parabéns ao povo de Arapiraca que provou que nada é impossível. E que nos desculpem Francis Hime e o grande Chico Buarque, mas a música vale somente pelo contexto de uma época bem distante.

Aqui abaixo a letra e a música cantada por um de seu autores:

“E se o oceano incendiar
E se cair neve no sertão
E se o urubu cocorocar
E se o botafogo for campeão
E se o meu dinheiro não faltar
E se o delegado for gentil
E se tiver bife no jantar
E se o carnaval cair em abril
E se o telefone funcionar
E se o pantanal virar pirão
E se o Pão-de-Açúcar desmanchar
E se tiver sopa pro peão
E se o oceano incendiar
E se o Arapiraca for campeão
E se a meia-noite o sol raiar
E se o meu país for um jardim
E se eu convidá-la para dançar
E se ela ficar assim, assim
E se eu lhe entregar meu coração
E meu coração for um quindim
E se o meu amor gostar então de mim”

Até o próximo post!!!

Wellington Santos

 

COMPARTILHAR
Artigo anteriorHGE atendeu mais 2.100 vítimas de acidentes com motos só neste ano
Próximo artigoSistema Aviação vai ser paralisado neste sábado para interligação de redes de água
Wellington Santos
Wellington Santos milita no jornalismo desde 1994, quando iniciou a carreira como revisor do extinto O JORNAL. Daí formou-se na área pela Universidade Federal de Alagoas (Ufal), e teve passagens como repórter e editor em jornais como Gazeta de Alagoas (por duas vezes), A Notícia e Primeira Edição. Atualmente atua como repórter no Jornal Tribuna Independente e exerce ainda a função de assessor de Comunicação desde 2003 no Governo do Estado. Como repórter esportivo, foi correspondente e colaborou para o Portal nacional Lance! e rádios do eixo Sul/Sudeste, além de colaborar para o Canal Esporte Interativo. Como reconhecimento ao trabalho desenvolvido, foi premiado duas vezes como repórter esportivo no Prêmio Braskem de Jornalismo em 2013/2014, e em 2016 com a melhor matéria no Jornalismo Impresso na editoria Saúde. Em 2012, foi à final do Prêmio Nacional Abdias Nascimento, realizado no Rio de Janeiro, com reportagem sobre os 100 anos do Quebra de Xangô em Alagoas.