Alagoas homenageia com prêmio personalidades de destaque no enfrentamento à pandemia

Depois de um ano cheio de perdas irreparáveis causadas pela pandemia de Covid-19, a Secretaria de Estado da Mulher e dos Direitos Humanos (Semudh), em parceria com o Conselho Estadual de Defesa dos Direitos Humanos (CEDDH), realizará a terceira edição do Prêmio Alagoas de Direitos Humanos visando prestar homenagens às personalidades que se destacaram na luta em defesa da vida – direito humano primordial.

A cerimônia ocorre na próxima quinta-feira (9), às 18h, no Salão Jatiúca, do Jatiúca Hotel & Resort, localizado na Av. Álvaro Otacílio, 5500, Jatiúca, em Maceió. O evento terá quantidade de público limitada e todos os presentes devem fazer uso de máscaras de proteção e apresentar o comprovante de vacinação da Covid-19.

Num cenário devastador para tantos brasileiros e brasileiras, o altruísmo de algumas pessoas chamou atenção do país inteiro, como é o caso do padre Júlio Lancellotti, que mesmo diante dos altos riscos oferecidos pela nova doença, não deixou de dar assistência às pessoas em situação de rua no estado de São Paulo. Padre Júlio tem uma vida inteira dedicada à defesa dos direitos humanos e em 2021 é o homenageado da categoria nacional do Prêmio Alagoas de Direitos Humanos.

No âmbito estadual, a personalidade de destaque eleita, por apoio do CEDDH, foi o secretário de Estado da Saúde, o advogado Alexandre Ayres. Alagoas foi um dos estados brasileiros que não tiveram colapso na saúde, inclusive oferecendo apoio à Manaus, recebendo pacientes que vieram do estado em crise.

“A pandemia ainda não acabou, mas se hoje vivemos um cenário menos cruel, é por causa da ação das pessoas que lutaram contra a corrente e buscaram meios para garantir a vacinação urgente para todas as pessoas e a transparência nas ações do Governo Federal. É por causa daqueles que estiveram na linha de frente desse caos mundial lutando diariamente pela recuperação de cada paciente. É pelo espírito de solidariedade que motivou uma batalha em prol do povo que mais precisa, em um momento onde país atravessa uma das suas maiores crises. A homenagem desse prêmio é representativa”, explica Maria Silva, secretária da mulher e dos Direitos Humanos de Alagoas.

Guerreiros dos Direitos Humanos

A categoria principal do Prêmio é a Guerreiro dos Direitos Humanos. O deputado federal Paulão e a ativista Marivone Loureiro foram os premiados das edições 2018 e 2019, respectivamente, por suas atuações dentro do âmbito dos direitos humanos.

Na terceira edição do prêmio, o homenageado da vez é o senador Renan Calheiros, que desempenhou o papel de relator na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), denunciando irregularidades cometidas na gestão da pandemia no país, que após seis meses, foi encerrada com 80 pedidos de indiciamento.

O senador Renan tem em seu histórico o apoio à causa dos Direitos Humanos no Senado Federal, tem cobrado arduamente providências dos órgãos responsáveis pelos erros que resultaram na morte de 615.789 mil (até o último dia 6) brasileiros pela Covid-19.

Menções honrosas

Além das premiações principais, também serão entregues menções honrosas, com destaques em diversas áreas de atuação. Entre eles, representando o segmento de suporte jurídico e de segurança pública, serão agraciados: Dra. Roberta Bonfim, procuradora da República, especialista em Direito Sanitário pela ESMPU. Foi procuradora autárquica do Instituto Zumbi dos Palmares (2004/2008); Dr. Márcio Roberto Tenório, procurador-geral da Justiça do Ministério Público do Estado de Alagoas (MPAL); Dra. Daniela Times, titular da 25ª Vara de Família da Capital e coordenadora-geral do Núcleo de Proteção à Mulher Vítima de Violência Doméstica; Sálvio Marinho, agente da Polícia Civil graduado em Direito e Ciências Econômicas com formação no Uso da Informação na Gestão de Segurança Pública, Sistemas e Gestão em Segurança Pública.

O evento também contará com uma homenagem para os servidores da saúde do Estado, representados por uma comitiva que receberá o prêmio em nome de todos e todas que estiveram, e ainda estão, na linha de frente da defesa e do cuidado com a população, da portaria até as UTIs, dos motoristas das ambulâncias até a equipe médica.

Três instituições também serão homenageadas com a premiação: a Casa de Ranquines, que atua no apoio a pessoas em situação de rua, no suporte a crianças em situação de vulnerabilidade e no acolhimento de idosos, por meio do Projeto Bom Samaritano; o Centro de Gerenciamento de Crises e de Direitos Humanos da PM do Estado de Alagoas, que atua há quase 25 anos e conta com três núcleos, Gerenciamento de Crises, Direitos Humanos e Polícia Comunitária. E o Banho Solidário, projeto formado por um grupo de homens e mulheres que, de forma voluntária, leva às ruas da cidade de Maceió uma estrutura móvel com cabines que permitem a prática do banho.

Completando a lista das menções honrosas, estão: Débora Nunes, liderança Sem Terra, assentada da reforma agrária e Dirigente Nacional do MST; Messias Mendonça, presidente do Conselho Estadual de Combate à Discriminação e Promoção dos Direitos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais (CECD/LGBT) e do Grupo Gay de Maceió; Pastor Wellington Santos, do Ministério Pastoral da Igreja Batista do Pinheiro, na capital de Alagoas; Peronilda Batista de Andrade, arte-educadora, que por vinte sete anos, atua como circense, atriz, coreógrafa e técnica circense, e Jairo Campos, professor do curso de Letras na Universidade Estadual de Alagoas, com doutorado na área de estudos literários, pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) e mestrado pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

O Prêmio

O Prêmio Alagoas de Direitos Humanos é uma realização do Governo de Alagoas por meio da Semudh e em parceria com o CEDDH. Além das três categorias principais, a cerimônia também fará a apresentação de menções honrosas. O evento acontecerá na próxima quinta-feira (9), na semana em que se comemoram os 73 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!




Botão Voltar ao topo