AGOSTO DOURADO: Hospital da Mulher promove ações para incentivar o aleitamento materno

Definido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como o “padrão ouro” na alimentação do bebê, o leite materno é o único alimento capaz de deixar a criança mais protegida contra alergias, diarreias e infecções. Pensando nisso, a equipe multidisciplinar que atua no perfil assistencial materno-infantil do grupo Aconchego e do Núcleo de Educação Permanente (NEP) do Hospital da Mulher Dr.ª Nise da Silveira/Casa de Saúde e Maternidade Nossa Senhora de Fátima, localizado no bairro Poço, em Maceió, irá promover ao longo do mês de agosto uma série de atividades para sensibilizar as puérperas e seus acompanhantes sobre a importância da amamentação.

A programação faz parte do Agosto Dourado – que foi lançado oficialmente em 2017 pela Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), com base na Semana Mundial de Aleitamento Materno, que vai do dia 1° a 7 do próximo mês.  A proposta integra o calendário oficial de eventos da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) e é também uma estratégia para garantir maior visibilidade às ações de promoção ao aleitamento materno da pasta.

A diretora-geral do Hospital da Mulher/Casa de Saúde e Maternidade Nossa Senhora de Fátima, Eliza Barbosa, destacou que o maior objetivo do Agosto Dourado é o de promover informação e ampliar seu alcance de forma a conscientizar sobre a importância do aleitamento materno a toda população.

“Teremos um mês dedicado ao tema em toda maternidade, e nos dias 2 e 11 de agosto estaremos promovendo ações internas e palestras para tratarmos da importância da amamentação. O laço dourado tem este objetivo, pois, além de ser um símbolo de comunicação social, possui um significado dentro do seu desenho. O dourado remete ao fato de que o leite materno é o alimento ouro, a base da vida de qualquer ser humano; um lado do laço representa a mãe; o outro representa o bebê; o nó representa a comunidade que se envolve e apoia o aleitamento materno; e as duas pontas remetem o futuro da criança que recebeu o leite”, explicou.

Durante a abertura do Agosto Dourado, que vai ocorrer neste domingo (2), às 15h, no Hospital da Mulher/Casa de Saúde e Maternidade Nossa Senhora de Fátima, haverá uma palestra sobre a importância do aleitamento materno, que será ministrada por Andreia Almeida, coordenadora do NEP do Hospital da Mulher/Casa de Saúde e Maternidade Nossa Senhora de Fátima.

 O evento contará com uma exposição guiada de fotos com as mães amamentando seus filhos, além de serviços que serão ofertados aos acompanhantes, como aferição de pressão, glicemia e testes rápidos para detecção do HIV, sífilis e das hepatites B e C. Quem participar, também receberá panfletos informativos e alguns brindes. Para as puérperas, a equipe multidisciplinar pensou em distribuir kits de higiene pessoal, já para os acompanhantes, máscaras e um frasco de álcool em gel. A mesma ação, que será realizada no dia 2, vai acontecer no dia 11, uma terça-feira.

De acordo com Andreia Almeida, durante todo o mês de agosto, serão feitas capacitações dos profissionais do Hospital da Mulher/Casa de Saúde e Maternidade Nossa Senhora de Fátima, com foco no apoio a amamentação. Ela destacou algumas ações que serão feitas, como, por exemplo, visitas nas enfermarias e na Unidade de Cuidados Intermediários (UCI), a fim de identificar dificuldades e promover o mais rápido possível a correção que as mães estejam encontrando ao tentar amamentar seus bebês.

A equipe vai dar continuidade às reuniões semanais do grupo Aconchego, por meio de rodas de conversa multidisciplinar, cujo intuito será abordar vários temas, incluindo a amamentação. Também será disponibilizada consulta médica individualizada da paciente que esteja apresentando intercorrências durante a amamentação durante sua internação.

“No geral, os primeiros dias da amamentação são os mais difíceis para a mulher. Todavia, quando conseguimos que a mãe saia daqui sentindo firmeza que a amamentação vai suprir as necessidades nutricionais do seu filho, e que ela não está sentindo desconforto durante a pega do bebê, temos a certeza de que essa interação profunda entre eles vai ser um sucesso em casa. Cabe frisar que o acompanhante precisa ser sensibilizado também, para que ele possa apoiar e ajudar essa mãe durante a fase do aleitamento. O leite materno é o melhor alimento para o bebê, mas amamentar não é uma tarefa simples. Trata-se de um momento delicado, ainda cercado de tabus e mitos, e a rede de apoio formada por família, comunidade e trabalho é crucial para a que a amamentação seja bem sucedida”, afirmou Andreia.




Botão Voltar ao topo