MP investiga omissão de informação no portal da transparência de Marechal Deodoro

Procedimento preparatório de inquérito civil foi instaurado.
Informação foi divulgada no Diário Oficial do Estado nesta sexta (17). 

Conforme noticiou o G1 Alagoas, o Ministério Público de Alagoas (MP-AL) instaurou um procedimento preparatório de inquérito civil para investigar supostas omissões de informações no portal da transparência pela prefeitura de Marechal Deodoro.

O texto assinado pelo promotor de Justiça Sílvio Azevedo Sampaio foi publicado nesta sexta-feira (17), no Diário Oficial do Estado (DOE).

Por meio de nota, a Prefeitura Municipal de Marechal Deodoro informou que “foi encontrado um portal da transparência sem funcionalidade, sem os devidos acessos e inoperante, fato que tem dificultado o trabalho. Contudo, estamos em contato com a mantenedora do domínio para torná-lo eficiente e operacional” (leia na íntegra ao final do texto).

A assessoria de comunicação ainda disse que está trabalhando para fazer com que o portal funcione corretamente.

De acordo com a portaria, serão adotadas providências para apurar o fato, como a coleta de informações, documentos, certidões, perícias e outros.

Leia na íntegra a nota da prefeitura de Marechal:

Diante da matéria veiculada no portal de notícias G1 Alagoas, a Prefeitura Municipal de Marechal Deodoro esclarece que tem trabalhado com transparência e respeito ao dinheiro público, e que foi encontrado um Portal da Transparência sem funcionalidade, sem os devidos acessos e inoperante, fato que tem dificultado o trabalho. Contudo, estamos em contato com a mantenedora do domínio para torná-lo eficiente e operacional. 

A Prefeitura de Marechal Deodoro se coloca à disposição do Ministério Público para todo e qualquer esclarecimento, visto que a gestão preza pela conduta ética e respeito ao erário, fato que tem trabalhado de forma transparente na redução de gastos, como exemplo, podemos citar a redução de mais de 45% na licitação para aquisição de combustíveis em comparação a gestão anterior, e também os gastos com o carnaval que foram reduzidos em mais de 70%.

Ressaltamos o estado de precariedade encontrado no Portal da Transparência, carente e escasso por vícios da antiga gestão, e tem trabalhado diuturnamente para que possa retomar o acesso em tempo hábil.

Com informações G1/AL