Faculdade particular aconselha às alunas a não usarem roupas curtas e causa revolta


Em uma faculdade particular, situada no bairro Tabuleiro dos Martins, durante as boas-vindas, para o retorno das aulas, aconteceu uma situação considerada, por alguns alunos, constrangedora.


Durante a fala de saudação aos calouros, a diretora pedagógica da unidade de ensino falou sobre o que classificou como “posturas adequadas para administradores, pedagogos e profissionais do Direito” e revoltou alguns dos estudantes.

Isto porque, em determinado momento, dirigindo-se especificamente às alunas da instituição, a docente afirmou que “é primordial que as meninas zelem da sua imagem como futuras profissionais, evitando roupas inadequadas como minissaias, shorts, miniblusas, roupas de lycra ou muito aderentes ao corpo”.

Após o ocorrido, fotos acompanhadas de legendas sobre o momento começaram a ser publicadas em redes sociais acusando a faculdade de machismo. Em um dos posts, uma das estudantes desabafa: “Em pleno 2018 e a gente tem que ver, ouvir e lidar com esse tipo de bizarrice. Que vergonha utilizar desse tipo de ‘conselho’ numa aula inaugural para os calouros”.

Uma funcionária – que preferiu não ser identificada – admitiu o ocorrido e disse que isso gerou revolta também em diversos funcionários, que, no entanto, têm medo de se manifestar por causa de possíveis represálias.

“Trabalho na instituição há mais de quinze anos e nunca tinha visto um posicionamento desse tipo por lá. As outras orientações, como não utilizar celular em sala de aula, acho justas, mas com relação ao modo como as nossas alunas devem se vestir, eu acho que é um abuso. Cada um se veste como quer”, disse.

Apesar de a fala da diretora ter acontecido na segunda-feira (6) e a polêmica ter se instaurado já na terça-feira (7), a funcionária afirma que a instituição de ensino ainda não se pronunciou sobre o ocorrido.

* Por Maysa Alves – estagiária sob supervisão – 09/08/18