Defesa de Aécio quer a suspeição de ministro Barroso em votação


O advogado Alberto Zacharias Toron, que defende o senador Aécio Neves (PSDB-MG), afirmou nesta quarta-feira que deve pedir a suspeição do voto do ministro Luís Roberto Barroso proferido hoje no Supremo Tribunal Federal (STF). O Supremo decide se pode decretar medidas cautelares contra parlamentares sem autorização do Congresso. O resultado do julgamento afeta diretamente o senador tucano, que está afastado do mandato por determinação do STF.

Barroso se posicionou a favor de que a Corte adote tais medidas sem aval do Congresso, e, durante seu voto, mencionou diretamente as acusações contra o tucano, destacando o fato de que Aécio pediu R$ 2 milhões a Joesley Batista e que o dinheiro foi entregue em uma mala a um primo do senador. O ministro também destacou um trecho da gravação feita pelo empresário na qual o tucano afirma que vai indicar para pegar o dinheiro alguém que possa matar antes de fazer delação, atesta o Extra.

A notícia continua após a publicidade!

Após o voto do ministro Barroso, a defesa do senador divulgou nota afirmando que o ministro realizou um julgamento antecipado. Para Toron, Barroso “proferiu verdadeira sentença condenatória, o que representa gravíssima violação aos princípios mais elementares de um Estado de Direito.” Segundo o advogado, o ministro do STF ignorou o “contexto obscuro e ilegal” no qual a delação dos executivos da JBS foi feita.

A defesa do senador declarou que irá aguardar o fim do julgamento para arguir a suspeição do ministro Luís Roberto Barroso.

12/10/2017