Bate Papo – Juliana Borela – Presedente do PSL Mulher de Alagoas


O Bate Papo Rede Repórter conversa com Juliana Borela Presidente do PSL Mulher de Alagoas.


O PSL vem crescendo e ganhando adeptos. Bolsonaro vem subindo nas pesquisas, somando cada vez mais eleitores. Juliana Borela fala um pouco sobre o candidato que vem como promessa nessas eleições. “Eu acho que as pessoas vêm aderindo ao Jair Bolsonaro, pela sua ética, sua moral e honestidade. O brasil estar com os valores invertidos. A inflação um absurdo, um total caos, à beira de virar uma Venezuela. Bolsonaro representa toda uma expectativa que existe dentro dele. Recuperação da família, família unida; sem preconceito. Mas a base homem e mulher e seus filhos, porque a gente sabe que a família é o alicerce. Defesa pessoal, porte de arma. Não aliviar com bandidos. Hoje o bandido tem mais direito, que o cidadão de bem e isso é um absurdo”.

Neto Auto, retoma à questão do armamento. Ele lembra que no último Bate Papo conversou com o cabo Bebeto sobre o porte de arma. “Como eu tenho uma arma e você não? Qual é a igualdade que nós teremos sobre a sociedade? Haja vista que está no artigo 5º da constituição a igualdade entre todos? E o Bolsonaro vem levantando essa propaganda à nível eleitoral e tem contagiado, principalmente, os brasileiros mais revoltados”.

A presidente do PSL mulher, diz que o partido tem um projeto pioneiro em favor da mulher para casos de agressão doméstica. O projeto visa que o agressor seja submetido as autoridades e ser 24hs monitorado com tornozeleira eletrônica e se ele reincidir ele vai pagar R$ 3 mil e caso ele reincidir novamente ele paga 40% em cima desse valor.

Um grande fator em relação ao Bolsonaro é seu jeito. A mídia e os adversários fazem uso desse artifício à seu desfavor. “O que vem acontecendo com o Bolsonaro é um certo boicote. Ele é uma pessoa isolada que está vindo contra todo um sistema errado, que lá no fundo quem está envolvido com a política sabe o que estar acontecendo e ele está ali combatendo tudo isso”, afirma Juliana.

Confira a entrevista completa:

* Por Maysa Alves – estagiária sob supervisão